NÃO SE ACOSTUME COM O QUE NÃO TE FAZ BEM

Por: Leandro Salgentelli - 18:14


Conversava com uma amiga o que faz alguém se apaixonar por um traste. Chegamos à conclusão que é a carência. É a carência que faz a gente ligar para o ex depois de algumas doses de bebida, é a carência que nos leva a um relacionamento extraconjugal, é a carência que faz a gente tolerar o inamissível. Palavras dela: é a carência que faz a gente entrar em qualquer supermercado e comprar qualquer comida para saciar a fome.

É, tenho que concordar. Viemos de uma cultura onde as mulheres foram educadas para acreditar que é possível mudar o comportamento do companheiro, que se deve insistir numa relação que é sabido sua falência, enfim, que é a responsável por salvar uma relação.

As coisas estão mudando, eu sei. Hoje as mulheres estão mais voltadas para a satisfação de si mesmas. Levou-se muitos anos para chegar até aqui com essa liberdade de escolha. Mas quando a questão é carência pode ser homem, mulher, bissexual, o João, a Maria, não importa quem seja, estará condicionada a ser refém das migalhas do sentimento. É preciso ter muita inteligência emocional para não tolerar certas artimanhas. Porque, como se sabe, sem autoconhecimento não se atinge o amor próprio.

Se vale algum conselho, não se acostume com o que não te faz bem. Se o cara diz que a ama e logo em seguida ofende, o que te faz pensar que isso é verdadeiro? Amar requer mais do que palavras verbalizadas, presentes e beijinho de boa noite.

Se o cara tem ciúme dos seus amigos, diz o que você pode ou não fazer, mexe no seu celular, invade seu espaço, o seu modo de ser, o que te faz pensar que ele apenas está a protegendo? Se você vive uma relação onde traz à tona o seu pior ao invés do seu melhor, o que te faz pensar que isso vai mudar?

A vantagem de amadurecer é esta: de não me relacionar com quem não presa por uma boa conversa, com quem não é pontual, com quem não tem bom humor. Se você não é canalha, se não grita com os outros, por que teria que tolerar que faça isso contigo?

Se você atingiu um grau de maturidade já percebeu que ninguém é responsável por te fazer feliz. Que a felicidade, essa tal busca, depende mais da gente mesmo do que aqueles que nos cercam.  Se estivermos em uma boa companhia é apenas melhor.

Na verdade, se aprendemos alguma coisa com os erros vamos nos dar conta que é a carência, o medo, a insegurança que faz com que tornemos paranoicos.

Leva-se uma vida para perceber que a violência é um ciclo que repete o tempo todo. Porque sim, é uma violência contra nós mesmos insistir no que não vai vingar. Para sair desse ciclo, basta que nunca, jamais, nos acostumemos com aquilo que não nos faz bem.

Se você gostou também vai gostar de:

0 comentários

Deixe sua opinião para nós do Refúgio Literário