[CRÔNICA] A MULHER QUE NÃO RECONHECEU O MARIDO

Por: Leandro Salgentelli - 19:47



Ela me contou numa mesa de bar. Contou que fez uma loucura, umas daquelas loucuras que poucas pessoas têm coragem de levar adiante. Diga-se de passagem, é uma das poucas mulheres que levam a sério sua vontade — mesmo sabendo que essa vontade possa vir com um ticado de arrependimento logo ali, naquele curto espaço de tempo, em que temos a noção do perigo. Disse que se casou com um homem que mal conhecia, para ser mais exato, casou-se em quatro meses, assim: três beijos e um pedido de casamento. Mudaram de cidade e foram viver felizes para sempre até que, num belo dia, logo pela manhã, percebeu que tinha um estranho a seu lado. Atordoada, ligou para sua mãe, numa tentativa de pedir consolo, porque sabia que não estava em pleno juízo de suas faculdades mentais. Por morar longe da família e amigos, logo ficou inquieta a ponto de cogitar: e se meu marido for um serial killer. Minutos se passaram então foi se acalmando, respirou fundo e contentou-se com o inevitável: havia mesmo se casado com um estranho.

Mas serial killer, por sorte, não era.

Estávamos em três avariados o com relato estapafúrdio. Quando achamos que o pior já tinha acontecido, disse que mal se viam, conversavam mais por skype e, quando se encontraram, selaram a loucura. Contou esta história fatídica na gargalhada, enquanto nós, de fora, falávamos: miga, sua ‘loka’. Mas loucos mesmo somos nós que levamos a sério demais as placas de advertência. Até hoje aplaudo aquela mulher que apareceu nos noticiários anos atrás quando todos estavam a sua procura, e ela, dias depois, aparece dizendo que teve as melhores noites de vida com um foragido da polícia.

A gente tem assistido a muitos jornais, e não levamos em conta que a nocividade ainda não é epidêmica. Somos todos bem-intencionados em potencial, basta apenas que levem a sério nossa loucura para que pulemos do paraquedas. E depois do salto, o que nos resta é aproveitar a miragem. Até trombarmos com aquela leve sensação que nos toma toda vez que vemos a sinalização. Perigo.

Perigoso mesmo é manter-se sóbrio. Não se permitir pelo menos por uma única vez fazer uma loucura, olhar pelo buraco da fechadura e só então ter o gatilho da coragem para abrir a porta tão prometida, aquela que cabe desejo, aventura, luxuria e um pouco de tudo. Perigoso é não se arriscar, deixar que o medo e a imposição dessa sociedade hipócrita falem mais alto.

Quando a sobriedade voltar, quando o estranhamento aparecer, quando a graça acabar, é simples: é só pegar o desvio, aquele que sempre dá o sinal a 1 km de distância anunciando o caminho para voltar.

Se você gostou também vai gostar de:

0 comentários

Deixe sua opinião para nós do Refúgio Literário