PARAÍSO PERDIDO, É O EXEMPLO QUE O CINEMA NACIONAL MERECE SER VALORIZADO

Por: Salvattore Mairton - 22:09


Titulo: Paraíso Perdido
Ano: 2018
Duração: 1h50min
Gênero: Drama Musical
Com: Jaloo, Erasmo Carlos, Seu Jorge, Marjorie Estiano


                           *Disponível na Netflix 


O cinema nacional tem surgido com grande destaque neste mundo da sétima arte. Até um dia desses preferia os nacionais de comédia, mas resolvi partir para o drama, suspense e outros gêneros, e tive a feliz surpresa de ver que temos sim a capacidade de gerar boas histórias. Paraiso Perdido, é um exemplo disso, misturando poesia, drama e romance, o longa metragem emociona e traz um mensagem de amor e superação em tempos nefastos. 

Tudo começa com a história de Imã (Jaloo), uma transformista cuja mãe, Eva (Hermila Guedes), está presa, e que trabalha como cantora transformista durante às noites no bar de seu tio para pagar suas contas. Imã é apaixonada por Pedro (Humberto Carrão), que constantemente se sente envergonhado pela relação com a performer, especialmente pelo fato de as características consideradas “femininas” serem apenas parte da performance. Imã, em seu cotidiano, se identifica como um homem, o que faz com que Pedro sinta certo embaraço em estar com ele, chegando a empurrá-lo no chão em um dos momentos em que se beijam publicamente.

Ainda no mesmo ambiente, temos Angelo (Júlio Andrade), cantor frustrado com a vida pela separação de quem ele diz ser seu “amor verdadeiro”. Anos após trair a esposa, Angelo continua amargamente arrependido e demonstra-se ainda emocionalmente dependente de sua presença, ainda que não faça a menor ideia de onde esta se encontra. Sua filha, Celeste (Julia Konrad), está grávida de seu ex abusivo e presa em um dilema sobre dever ou não abortar a criança. Devido a um crime de ódio que leva Imã a ser espancada atrás do bar, José (Erasmo Carlos), tio do garoto e dono do “Paraíso Perdido”, toma medidas de contratar um policial, Odair (Lee Taylor) que possa ajudá-lo a tornar o pub um lugar seguro novamente. O que José não esperava era que Odair fosse filho de Nádia (Malu Galli), a mulher que Angelo procura desesperadamente.  

O espectador inicia o filme achando que encontrará apenas mais um drama arrastado e apático, porém fica extremamente espantado com as reviravoltas da história,  e a sutilileza como cada música se encaixa na vida daqueles personagens. O suspense não é o forte da película, e aos poucos quem assiste consegue juntar as peças e descobrir cada segredo.

Grande louvor as atuações de Seu Jorge,  Erasmo Carlos, Marjorie Estiano. Porém devo dar destaque ao cantor Jaloo, que carrega o enredo nas costa com seu personagem, que é um símbolo na luta pelo preconceito, e claro com seu vozeirão que transforma qualquer letra em uma obra prima. 

Um filme emocionante, terno, dramático e que toca fundo com um final arrebatador. Não chorar é quase impossível com a história da família e com o desfecho dado pelo roteirista. Paixão,  é a sensação que fica quando os créditos correm ao som de uma boa música nacional. Parabéns ao nosso cinema nacional que tem renascido e evoluído a cada dia  

Se você gostou também vai gostar de:

0 comentários

Deixe sua opinião para nós do Refúgio Literário