[CRÔNICA] DEIXE AS FLORES DE LADO

Por: Francine Camargo - 14:39



Dê-me um espelho e mostrarei que sou feita de luz e de sombras, mas sou concreta e quebrável, então, não me golpeie.

Crave os olhos em meu passado e verá que nem sempre fui mansa, já me corrompi de ódio; nem sempre fui grande, já me encolhi de medo; nem sempre fui brilhante, já me comprimi fosca num quarto vazio, portanto, não me suponha.

Sinta meu perfume, prove do meu sabor, com devoção, porém saiba que posso ser gélida e impassível se trouxer espinhos, mordidas ou um toque vazio, logo, não me perturbe.

Leia-me, como a um livro inacabado, com apontamentos e inscrições diárias, páginas em branco por mero acaso ou não, ora em versão rascunho, ora com grafia definitiva, assim, não me rabisque.

Marche ao meu lado, mãos unidas, corpos em acordo, sem cruzar a rua, sem pisar-me os pés descalços, o que quero é companhia, por isso, não me persiga.

Reconheça que carrego cólica no corpo e na alma, que ambos podem sangrar, bem como os olhos podem verter lágrimas, repentinamente, sem como ou porquê, deste modo, não me desatenda.

Presenteie-me com amor e abraços, deixe o pacote na porta;  traga-me respeito, deixe as flores de lado, pois dentro de mim desponta a primavera e, isso posto, não me enfeite.

Chame-me o nome, mas chame com vigor e sonoridade, pois é assim que quero ser evocada. Chame-me com o epíteto que quiser, menina, mãe, profissional, invente a função que  a afeição designar, mas chame-me, sobretudo, mulher, pois caso contrário, não mais atenderei.



Se você gostou também vai gostar de:

24 comentários

  1. Um texto que fala profundamente com a alma feminina que é repleta de nuances. Retrata bem o que esperamos de um relacionamento e tudo que já vivemos até aqui e tudo que ainda temos pelo frente. Adorei.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Oi!
    Que belo texto, que consegue mostrar tudo o que nós mulheres somos, com todos os nossos acertos e erros, com nossas imperfeições e os nossos desejos.
    Parabéns!
    Bjss

    http://umolhardeestrangeiro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Olá! Que texto bonito. Parece expressar muitas coisas que nós somos e muitas que temos medo de acontecer, porque ao mesmo tempo que somos fortes, temos alguma fraqueza, e ao mesmo tempo que queremos, tememos. Amei a delicadeza!


    Bjoxx ~ Aline ~ www.stalker-literaria.com ♥

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Que lindo esse texto. Profundo, delicado e necessário para o entendimento dos sentimentos mais intensos que envolve o ser humano.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  5. Olá!

    Gostei da crônica, retrata mais o lado feminino, do respeito e da uniões das mulheres (ou de alguma delas).

    ResponderExcluir
  6. Oi Fran!
    Essa crônica me tocou fundo, nos mostra que podemos ser perfeitas e imperfeitas ao mesmo tempo, nossa debilidade e também a nossa força e em como podemos nos construir do zero. Parabéns, bjs!

    ResponderExcluir
  7. Que crônica mais preciosa! Conseguiu mostrar bem o que deve ser o dia da mulher, onde devemos deixar de lado estereótipos e rótulos machistas, devemos ser reconhecidas por nossas conquistas, e não diminuidas.

    ResponderExcluir
  8. Oi, amei poder ler essa crônica. É muito fácil se identificar com cada palavra dela, se ver em cada linha.

    ResponderExcluir
  9. Excelente texto, profundo reflexivo e muito emotivo. Um presente para o dia das mulheres que devem se olhar como vencedoras.

    ResponderExcluir
  10. Me senti desenhada em palavras neste texto.
    Maravilhoso!!!
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Olá Francine!!!
    Adorei a crônica e como você desenhou uma pessoa mesmo sem citar nomes, como se essa pessoa pudesse ser qualquer um de nós e na qual poderíamos nos encontrar no mesmo.
    Adorei ^^

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Antonia. E pode ser qualquer uma de nós e todas nós ao mesmo tempo, não é? Beijos.

      Excluir
  12. Ola!

    Nossa, que texto mais lindo, delicado, emotivo e encantador! Me vi descrita em suas palavras e isso me tocou de um jeito inexplicável.

    beijos

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião para nós do Refúgio Literário