[FRANCA MENTE] NAMORANDO

Por: Francine Camargo - 23:50




Onde está o meu freio, não sei mais. Perdi quando você me surgiu e abalou a minha carne. Minhas crenças ruíram, minhas verdades previamente sabidas foram danificadas e agora nem sei se sei, só sei que sou, fora do tempo, junto a você.

É mágico.

Então a gente sai da fantasia e começa a dizer a verdade quando do abraço apertado. Da pele atritando. Na hora do olho no olho. E você surge, sem pretensão, tornando-se dono dos meus olhos, luz que neles incide, que ilumina, mas às vezes cega, me deixe enxergar e só te olhar e olhar e amar...

Os calafrios não cessam.

Seu amor tem cheiro, tem cor, tem nome, tem gosto, tem morada. É meu lar. Faça do meu corpo sua casa e me deixe viver em seu azul, sua paz, seu agora.

Torne-me de você.

É contigo que posso ficar descuidada, pois a noite me assiste, não assusta, ela se aninha em mim e me faz adormecer, pronta para o depois.

Deixe rastros.

Sem pudores, em mim fica seu perfume, sua saliva, as marcas de seu toque, do seu prazer, de seu domínio. Vestígios de dente, lábios, suas digitais cravadas em meu corpo. Em minha alma, fica impressa sua invasão, ferida de ausência que não cicatriza, mas que dilacera menos a cada reencontro.

Desorganize minhas gavetas e minha história.

Mas ponha tudo no lugar após. Você está nos papéis, nos livros, nos achados e nos perdidos recuperados, nos rascunhos intermináveis, nas vidas que já vivi e nas incertas que ainda viverei. Sou uma bagunça em mim, mas sei me achar e me encontro melhor se você está em meio ao meu caos.

E a Lua surge crescendo no céu, inteirinha dos namorados.

Está em nosso quarto, rente a cama, amplificando esse amor ora abafado, ora gritante, sem pressa de existir, pois já o é, para todo o agora, para qualquer sempre.

Lua nossa, Lua paixão, Lua enamorada.





(Para todos os apaixonados e todas as formas de amor)


Se você gostou também vai gostar de:

0 comentários

Deixe sua opinião para nós do Refúgio Literário