AS PANCADAS DA VIDA

Por: Francine S. C. Camargo - 09:34



Alguns irão escapar, mesmo que você os retenha o mais firmemente possível com suas mãos doloridas e não haverá nada a dizer, nem se entristeça, pois ele não é seu.

Alguns irão berrar, ofender, aviltar você, muitas vezes sem perceber, e não importa, porque você já começou a andar no sentido contrário, com os ouvidos vedados, ainda que zunindo, e aquelas palavras foram só jogadas ao vento.

Alguns irão te desapontar, não por fraqueza, mas porque tudo é questão da sua expectativa. Promessa é castelo de areia, pode desfazer-se na primeira inundação, então não há porque trabalhar com possibilidades.

Alguns até te darão pancadas, não com as mãos, mas com olhares, desprezo, desrespeito ou ausência de cuidado. Mas quer saber? Você pode desviar, pode usar um escudo, pode dar passos de dança em contorcionismo e nada irá te tocar, sua pele e sua identidade continuarão íntegras, mesmo que esteja um pouco partida por dentro.

Alguns irão tentar amarrar seus pés para que não dê passos em direção ao futuro, num convite para que não cresça e fique quieta no seu mundo, sem ser vista. Mas, meu bem, o futuro chegará de qualquer forma, ele te chama e é impossível não ouvir. Você poderá chegar até ele, mesmo dando saltos curtos, com o tempo, as amarras irão se desfazer, pois nós servem para ser desatados e não para te estagnar.

Alguns irão te soprar quando estiver muito leve, mas você não irá cair, pois saberá usar suas asas na hora necessária.

Alguns tentarão se aproximar, sugar, vampirizar, roubar, colher e parasitar. E que levem o que quiserem na primeira vez em que chegarem. Depois que você se refizer, que replantar, terá um portão bem trancado ao seu redor para essas visitas, com cães protetores a esperar na porta. E se mesmo assim entrarem de novo, dessa vez você pode gritar:

– Não!!!!!



Se você gostou também vai gostar de:

0 comentários

Deixe sua opinião para nós do Refúgio Literário