ELA SABIA

Por: Francine S. C. Camargo - 15:43


“Tudo é incerto neste mundo hediondo, mas não o amor de uma mãe.”
(James Joyce)
 Então o amor explodiu, sufocando, mas abastecendo o peito, de leite, de vida, de sonhos. Então surgiu o Amor apaixonado, com dedicação exclusiva e que, ainda assim, fez com que ela gostasse mais de si mesma, valorizando suas melhores virtudes. Amor que faz feliz, ao se olhar para o nada; que faz a rotina ser uma delícia. Amor que dá um suspiro aliviado quando todos dormem e, dali a pouco está morrendo de saudade. Amor que guia, que gruda, que brilha e inunda. Amor que move, liberta, refaz e impulsiona. Amor que faz ser a cada segundo, que toma o minuto para si. Amor que é um, dois, cem por vez. Um melhor que o outro.

 Entretanto ela sabia...

 Ela sabia que chegaria a hora de ele sair de dentro, mesmo que doesse, mesmo sem um choro imediato. Então, esperou, sem antecipação.

 Ela sabia que teria de acalentá-lo com outros tecidos que não fossem o seu ventre, o mais aquecido de todos. Então, ela se aplicou.

 Ela sabia que o momento de o alimentar com outros nutrientes que não fossem o seu seio assomaria. Então, ela se doou, sem urgência.

 Ela sabia que teria que vê-lo dormir em outro recanto que não fossem os seus braços. Então, ela o encobriu de calor.

 Ela sabia que teria que vê-lo andar sem segurá-lo pelas mãos. Então, ela as apertou com solidez e determinação.

 Ela sabia que o veria dizer tchau e virar as costas, partindo sozinho, para o lado oposto. Então, caminhou ao seu lado, ajustada o quanto pôde.

 Ela sabia que teria que acompanhar a noite sua respiração ofegante, uma vez que respirar por ele não podia. Então, suspirou e vigiou seu sono.

 Ela sabia que o veria praticar a leitura de um livro com seus próprios olhos, por sua conta. Então, esgotou saliva e devaneios a contar-lhe suas estórias de vida.

 Mas não se organizou para aquele momento. Não estava pronta para vê-lo subir no andar mais alto, para vê-lo escorregar no escorregador de aventura mais verdadeira.

 Mas quão alto ele poderá ir?

 E quão alto ela o deixará ir?

 Ela sabia que chegaria a hora em que ficaria embaixo, vendo-o desafiar seus limites e fugir dos extremos dos seus sonhos. Então, sonhou junto, bem perto, sem fim.

 Eclodiu uma nova mulher, mãe em si, para o outro, mãe do novo, rasgada ao meio, rompida em tantos pedaços quanto se fizessem necessários, mas toda ela coberta de abraços e desafios, com fuligem no rosto pelo incêndio da alma.

Se você gostou também vai gostar de:

27 comentários

  1. Que texto! Ser mãe, abraçar a maternidade é algo tão intenso e complexo que nenhuma palavra consegue expressar sua totalidade.

    Obrigada por compartilhar esse texto incrível.

    Beijos.

    www.alempaginas.com

    ResponderExcluir
  2. Não sei como consegue colocar tantos sentimentos em palavras e estas palavras narram de forma magnifica os sentimentos da maternidade. Mesmo sendo mãe eu nunca conseguiria expressar tudo que envolve essa transformação e este texto bem fez isso. Amei.

    Abraços.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, Camila, nem sei também, é que às vezes o amor quer sair por todo canto, pelos poros, pelas digitais e assim sai algo...hehehe. Obrigada pelo carinho. Abração.

      Excluir
  3. Olá!
    Apesar de não ser mãe ainda, deve ser um sentimento incrível e transformador na vida de uma mulher. Gerar um ser humano, dar amor, cuidado, orientação, são tantas coisas que é difícil até definir a importância dessa função.
    Amei seu texto. Lindo e muito delicado!
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Camila, obrigada. Sim, é transformador e gera todas essas palavrinhas. Beijo grande.

      Excluir
  4. Olá, tudo bem?

    Não sou mãe e tampouco tenho este sonho, mas imagino o misto de emoções que deve passar pela cabeça das mulheres que o são. Parabéns pelas palavras!

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Pamela, tudo bem e você? Obrigada palas palavras. Beijos.

      Excluir
  5. Sou mãe e muito apaixonada pelo meu filho, então, o texto teve uma identificação imediata com tudo o que sinto e vivo diariamente.
    Lindas palavras
    beijos

    ResponderExcluir
  6. Oie, tudo bom?
    Que lindo! Um sentimento lindíssimo que só pode ser sentido entre mãe e filho. Adorei seu texto! ❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jéssica, tudo ótimo e com você? Obrigada pelo carinho.

      Excluir
  7. Francine, seus textos são sempre maravilhosos! Não me canso de dizer! Você arrasa!

    Quero passar por essa experiência um dia. De ser mãe. De carregar meu bebê. O destino está conspirando contra isso.rsrs Mas a última palavra é de Deus, sempre! Ser mãe é meu maior sonho desde que eu própria era uma criança.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luna!!!
      Ah, fez da minha noite uma delícia com essas palavras.
      Espero mesmo que possa viver tudo isso, é algo que desejo para todos que são especiais para mim, pois é um sentimento de plenitude como nenhum outro.

      Excluir
  8. Oiii,

    Que texto interessante! Não conheço a experiência de ser mãe, mas foram palavras muito cativantes é que transmitiram um sentimento muito bonito.

    Beijinhos...
    http://www.paraisoliterario.com

    ResponderExcluir
  9. Oi, Francine! Que texto lindo!
    Eu ainda não sou mãe, mas sendo tia eu vejo um pouco como minhas irmãs são com os filhos e é um pouco de tudo o que vc mencionou. É um desafio diário e acho que elas não trocam isso por nada.
    Bjos
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  10. Olá, tudo bem?
    Que texto mais lindo! Eu ainda não sou mãe, então, não consigo imaginar a intensidade desse amor. No entanto, posso ter uma noção pelo amor que minha mãe sempre demonstrou por mim, em todos os momentos.
    Acredito que não há amor maior ou mais forte que o materno e isso foi expresso de uma maneira linda no texto. Adorei!
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Maria Luíza, tudo jóia e com você?
      Obrigada!
      Acho que até quem é mãe não tem uma noção exata do tamanho desse amor...
      Beijos.

      Excluir
  11. Olá Francine,
    Que texto forte esse o seu. Eu ainda não sei como é ser mãe, mas e imagino que você soube textualizar isso muito bem e isso me emocionou. Enviei o texto para minha mãe que chorou ao ler.
    Obrigada por me dar essa emoção.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bruna, obrigada. Feliz por ter emocionado sua mãe acho que isso vale muito. Beijão.

      Excluir
  12. Oláaa.
    Obrigada por esse texto maravilhoso, estava realmente precisando ler algo assim hoje. Ainda não sou mãe, mas achei muito lindo.
    Amei o post.
    BjS
    Mary - http://leiturasdamary.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mary, também estava precisando ler algo como seu comentário hoje, obrigada por isso. Beijão.

      Excluir
  13. Olá!!!
    Sabe quando você ler um texto e ao mesmo tempo vem uma música na sua mente por causa do que você leu??
    Bem, eu tava lendo seu texto e a música "Trem Bala" vinha tocando por causa que é algo que dar pra unir pois ambos trazem uma mensagem tão linda e emocionante.
    Obrigada por esse texto lindo *-*

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Antonia, que ótima trilha sonora mental você encontrou para ler o texto, fico feliz por isso. Beijão.

      Excluir
  14. Não posso dizer muito sobre isso, porque ainda não sou mãe, mas tenho uma ideia ao ver minhas irmãs com seus filhos. Amei o texto, muito lindo.

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião para nós do Refúgio Literário