A VIDA DURA DOS SERTANEJOS EM BUSCA DE UMA VIDA MELHOR, CONHEÇA O INESQUECÍVEL VIDAS SECAS

Por: Salvattore Mairton - 18:41



O que impulsiona os personagens é a seca, áspera e cruel, e paradoxalmente a ligação telúrica, afetiva, que expõe naqueles seres em retirada, à procura de meios de sobrevivência e um futuro. Apesar desse sentimento de transbordante solidariedade e compaixão com que a narrativa acompanha a miúda saga do vaqueiro Fabiano e sua gente, o autor contou: "Procurei auscultar a alma do ser rude e quase primitivo que mora na zona mais recuada do sertão... os meus personagens são quase selvagens... pesquisa que os escritores regionalistas não fazem e nem mesmo podem fazer ...porque comumente não são familiares com o ambiente que descrevem...Fiz o livrinho sem paisagens, sem diálogos. E sem amor. A minha gente, quase muda, vive numa casa velha de fazenda. As pessoas adultas, preocupadas com o estômago, não tem tempo de abraçar-se. Até a cachorra [Baleia] é uma criatura decente, porque na vizinhança não existem galãs caninos". VIDAS SECAS é o livro em que Graciliano, visto como antipoético e anti-sonhador por excelência, consegue atingir, com o rigor do texto que tanto prezava, um estado maior de poesia.


Um dos grandes clássicos da Literatura Nacional,  Vidas Secas do grande autor Graciliano Ramos, nos incendeia com a história dificil do pai de família Fabiano e da famosa cadela Baleia. O livro foi escrito entre os anos de 1937 e 1938, e tinha como titulo inicial "Um Mundo Coberto de Penas", sendo posteriormente mudado.  

O autor nos leva ao mais íntimo dos retirantes do século passado. A dura vida em busca de um lugar melhor para viver,  o abuso no trabalho quase escravo e o sofrimento para poder um comprar uma mísera cama. O livro se tornou uma obra inesquecivel  e sempre é lembrada quando se fala em enredo que relatam a seca pelo sertão.  

Escrito em terceira pessoa, Graciliano não focaliza os efeitos do flagelo da seca através da crítica, mas em narrar a fuga da família, a desonestidade do patrão e arbitrariedade da classe dominante, impossibilitada de adquirir o mínimo de sobrevivência.

É importante salientar que as críticas encontradas em Vidas Secas correspondem à responsabilidade da sociedade em não educar e não enxergar o próximo, demonstrando que em 1930 as raízes culturais do povo nordestino eram negadas pela sociedade e não muito diferente da atualidade, os nordestinos ainda sofrem preconceito em sua estrutura moral e humana.

Para quem curte clássicos é uma boa escolha, para quem não seria bom dar uma chance a obra. Grandes momentos aguardam o leitor na história,  mas não tem cena mais tocante do que a morte da cadela Baleia, fielmente retratada em sua adaptação para o Cinema, em 1963.





Se você gostou também vai gostar de:

6 comentários

  1. Olá, tudo bem? Tem vários clássicos que eu pretendo ler, e esse é um deles, porém não sei se é o momento certo, pois parece ser uma leitura um tanto difícil. Adorei tua resenha!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  2. Estou na vibe dos clássicos, então vou anotar a dica. Nunca li essa obra, nem nos tempos da escola, então fiquei bem curiosa para conhecer esse clássico. Adorei a resenha!
    beijos

    ResponderExcluir
  3. Eu amo esse livro, já li umas 3 vezes e acho uma história atemporal e realmente a morte da Baleia foi tocante, mas no geral é uma realidade que mexeu comigo e me fez rever algumas coisas que eu acreditava. Enfim, adorei relembrar essa leitura aqui. Parabéns por resenhar um clássico.

    Beijocas.

    ResponderExcluir
  4. Oi!
    Conhecia o autor, mas não o livro. A proposta do livro é muito interessante uma vida dura com regras e quase na miséria, eu acho que todas as pessoas deveriam ler um livro assim, pois nos faz dar valor e refletir sobre o que temos. Parabéns pela resenha, anotei a dica, bjs!

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Não vou dizer que é o tipo de leitura que faria hoje em dia. Já li na época da escola, mas vale ressaltar que mesmo nos dias atuais é um enredo que nos coloca pra refletir sobre a sociedade, sobre a dura realidade das pessoas e vale a pena para quem quer conhecer os nossos escritores que fizeram e fazem parte da história da literatura brasileira.

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  6. Li este livro no ensino médio e lembro que foi uma leitura difícil, mas inesquecível. lendo a sua resenha, me deu saudade da história e surgiu uma vontade de reler. Adorei seus comentários sobre o enredo.
    Beijos

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião para nós do Refúgio Literário