[CRÔNICA] COMO É QUE ESTA AÍ DENTRO?

Por: Francine Camargo - 00:21



Oi.

Esse ‘oi’ é para você.

Você cuja imagem encontro no espelho. Você atrás da tela do computador. Você que floreia as redes no celular, que recebe e mail, que curte o blog, que ouve, lê e se excita ou se impressiona com o mundo que te cerca (ou que cerceia suas vontades). A você, tenho uma pergunta:


Como é que está aí dentro?


Diga para mim, em seus pensamentos ou nas linhas abaixo, o que você enxerga quando olha para si?

Seu coração tem acelerado desvairado quando o depois se aproxima? Ele tem medo do que está por vir?

Será que você não tem castigado demais a si mesmo, punindo-se com palavras ou julgamentos, sendo às vezes até cruel em demasia quando se trata de si mesmo, com dificuldade de se perdoar pelos seus erros e aceitar recomeçar?

Quantas vezes nessa semana ou mês ou desde que o novo ano se iniciou você tentou mudar algo de que não gosta no seu dia a dia?

Tem esperado demais ser compreendido, mas ao mesmo tempo, o quanto tenta se colocar em outras peles, outros corpos, outros mundos?

Quem tem seguido com você em seus caminhos, um futuro implorando para ser vivido desde já ou seu passado com as mágoas e feridas abertas?

Ofensas e calúnias de quem não vive a sua vida fazem com que você murche, ou nada significam e não vão mais te travar?

Quantos ‘nãos’ você tem dito com sutileza ou inflamação, fugindo do que destrói; quantos ‘sins’ você tem assumido como oportunidades, abraçando o que te irriga e fortalece, quantas apostas você tem feito em si mesmo nesse jogo da vida?

Quantas apostas você tem feito em si mesmo?

Quantas apostas você tem feito...bom, mas antes disso, você se aceita? E depois de se aceitar, você aceitou ser aceito?

Que a vida é breve, vozeiam os trovadores. Que a vida é louca, instigam os poetas. Mas longa é a dor para que seja vivida todos os dias.

Então responda: em que hora você tem sido você mesmo?

E talvez a hora seja já.



Se você gostou também vai gostar de:

0 comentários

Deixe sua opinião para nós do Refúgio Literário