CHÃO DA NOSSA CASA

Por: Francine S. C. Camargo - 20:37


“Terra! Terra!
Por mais distante
O errante navegante
Quem jamais te esqueceria? ”
- Caetano Veloso


 Livre não sou. O raciocínio reaviva a ideia de que sou livre sim, pois vou e volto sem amarras; eu me nutro de vida e pão, pão que eu mesma produzo. Mas, fisiologicamente, não posso ser livre, pois de alguém dependo, de algo dependo, só ainda não lhes dei nomes.

 Se sou livre, gosto de me fechar no meu universo, entre quatro paredes, com as portas bem fechadas, para que o outro não entre e venha me ferir.

 Mas hoje determinei que a janela seria aberta com circunspeção para divisar a paisagem lá fora. Minha miopia tantas vezes me confunde, atenuando certas imagens, ora desfocando, ora tirando um pouco de seu significado real. Será, então, essa cena distorcida diante de mim somente um reflexo de minha deficiência?

 À esquerda, desastre natural: tantos morrem afogados ou com o grito atolado pela terra que os amortece, vinda de cima, feito despenhadeiro. À direita: desastre somático: há quem feneça de sede, da aridez dos dias.

 À frente, a fumaça e o clarão na mata se avultam. Vejo luar, chão, fúria e pão se incendiarem junto. E meu peito arde um pouco porque só eu vi, ninguém viu, ouviu, sentiu os vestígios de destruição. Mas eu vi. E nada fiz, só calei.

 E eu, no meio disso, será que sou adaptável à sobrevivência de minha espécie, eu que não enxergo quem está ao meu lado, que não vislumbrava nada além da minha casa? Sou também um revés natural, quase pronto a emergir.

 Logo eu que pago os preços que as maquininhas me exibem; eu que nunca plantei nada; eu que me alimento com o que encontrar no prato; eu que vivo de palavras ao vento, palavras que são bonitas no papel, mas nada acrescentam de impacto para sociedade alguma, o que faço eu?

 Eu, no centro disso vejo as árvores desabarem, a água ser dissipada e o chão conspurcado e não sinto sede, nem calor e nem me falta o ar; eu, que diante disso, fecho minhas portas e me firmo no chão de minha casa, não consigo ver que estou também sendo devastada?

 Não se trata de miopia, era somente minha estupidez. Diante do verde tornando-se cinza e perdendo seu esplendor, vejo a vida inteira se esvair, enquanto eu me escondi da humanidade. Não, ninguém pode me ferir, e quem está ao meu lado, sem me defrontar, deve também carregar o medo de ser pisado, tornando-se ruína.

 Pois decidi que sei muito pouco de quase nada, mas não quero ser também pó, com o passar dos dias. Da ruína, pode nascer o novo e é possível gotejar verde nas cinzas que restam. É hora de arrumar esse chão de fora e preciso de companhia.

Se você gostou também vai gostar de:

32 comentários

  1. Oie.
    execelente texto.
    me lembrou como nós seres humanos precisamos arrumar nossa vida ás vezes, as coisas ficam bagunçadas, suja e depende da gente fazer uma limpa.
    Sobreviver faz parte.
    Mas aprender a viver é algo especial!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Helana. Sobreviver x viver...não é função, é missão. Beijos.

      Excluir
  2. Eu adoro seus textos, são sempre muito sensíveis e me fazem questionar não só o meu papel no mundo mas também o que tenho feito para as coisas melhorarem, isso é desafiador demais. Obrigada por compartilhar conosco essas palavras incríveis.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por estar sempre aqui, Dayhara. Que bom que a gente sempre pode questionar a vida e nossas atitudes, fico feliz de poder contribuir um pouquinho com esse desafio. Beijos.

      Excluir
  3. Heiii, tudo bem?
    Um texto que me fez refletir em como a gente as vezes quer se fechar, mas que é imporante nao se isolar e afastar os outros.
    Temos que tentar dar o melhor de nós mesmo e ter mais empatia nesse mundo tão cruel.
    Beijos.

    Livros e SushiFacebookInstagramTwitter

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Suzzy, obrigada! Empatia...como falta, não? Beijão.

      Excluir
  4. Gostei muito desse texto, muito reflexivo. Às vezes precisamos dar uma ajeitada na nossa vida e sairmos das coisas que não no fazem bem. Ficou bem introspectivo suas palavras!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada!!! Sim, precisamos ajeitar sempre nossa casa. Beijos.

      Excluir
  5. Oi! Eu gosto muito de chegar aqui e ler esses textos da Fran. Acho que ela tem uma maneira muito real de exprimir os sentimentos e pensamentos, e gosto das reflexões que os textos trazem. Desse modo, como medir a liberdade, que as vezes parece prisão, ou como agir de frente a tantas coisas que podem machucar? Obrigada por compartilhar!

    Bjoxx ~ www.stalker-literaria.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aline, que delícia ler esse carinho nas suas palavras. Acho que ninguém tem resposta para as suas questões, mas a graça é que a gente vai descobrindo dia após dia como se virar, errando pra caramba, escondendo-se, retomando...uma hora dá certo! Beijos.

      Excluir
  6. Texto interessante e muito bem escrito.
    Parabéns.
    Beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  7. Oiiii,

    Adorei o texto! A liberdade é bem complexa e a maneira como tansicionamos durante o percurso da vida é igualmente complexo. Foi interessante ver pelos olhos de outra pessoa coisas que são uma parte de mim também, coisas que nunca fiz e a fragilidade de talvez nunca fazer.

    Beijinhos...
    http://www.paraisoliterario.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aninha! Você tem razão, somos frágeis de todos os lados, mas podemos sempre aprender juntos...beijinhos.

      Excluir
  8. Olá!
    Que texto incrível. Fico admirada com sua capacidade de extrair elementos da gente, nos fazer pensar sobre a vida, sobre nosso papel na sociedade e sobre como conduzimos nossa trajetória.
    Parabéns!
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que maravilha, Camila, que bom saber que isso ajuda a refletir! Beijão.

      Excluir
  9. Oie, tudo bom?
    Que texto incrível! A musica de Caetano conversou perfeitamente com o que você escreveu. Lindo!

    ResponderExcluir
  10. Me identifiquei com tantas frases desse texto! Gostei muito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Maria!
      "Quero não ferir meu semelhante, nem por isso quero me ferir"

      Excluir
  11. Oiii
    Ah, que lindinho esse texto, faz a gente parar e pensar nas coisas a nossa volta. Você tem uma sensibilidade incrível, nunca para de escrever.
    Beijuh

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Vamos precisar de todo mundo, um mais um é sempre mais que dois."
      Obrigada, Renata. Pedindo assim, não paro mesmo! Hehehe. Beijos.

      Excluir
  12. Lindo texto, adorei suas palavras, sua forma de se expressar e a profundidade com que fez isso. Continue a trazer textos assim, amo ler textos autorais, geralmente são providos de tanta emoção e sinceridade que impossível sair ilesa a eles. Bexus @prefirolercomcalma

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Anda, quero te dizer nenhum segredo, falo nesse chão da nossa casa, vem que tá na hora de arrumar."
      Obrigada, Tay. Essa sua definição me tocou muito. É por isso que escrevo, pq não quero sair ilesa, e ficarei feliz se quem me ler também não sair. Beijos.

      Excluir
  13. Adorei o "não era miopia, era só a minha estupidez". Gente isso acontece tanto na vida e quase nunca refletimos sobre isso. Que texto bom!!!
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Vamos precisar de muito amor..."
      Obrigada!!!!!!
      Beijos

      Excluir
  14. Oi Fran,
    Adorei o texto e fiquei muito contente com o final. Achei muito legal o que você disse sobre a miopia e estupidez. Eu sei como é se sentir estúpido assim.
    Vou compartilhar com meus amigos.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bruna, obrigada pelo carinho e por disseminar a ideia. Beijão.

      Excluir
  15. "não era miopia, era só a minha estupidez"
    Uau, amei muito seu texto! É super bem escrito e a mensagem que ele passa nos deixa reflexivos, nos faz repensar. Foi impossível não me sentir tocada por seu texto ♥
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Polly, que máximo! Que bom saber que esse tipo de reflexão é capaz de tocar as pessoas. Fico feliz. Grande beijo e obrigada.

      Excluir
  16. Oi!!

    Simplesmente admiro o seu trabalho e não vou me cansar de dizer isso em cada texto seu que eu tenho a oportunidade de ler! Acho incrivel a sua capacidade de nos fazer refletir sobre a nossa vida por meio de palavras simples

    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Epa, epa, epa!
      Tem noção de como esse comentário me fez feliz????
      Beijo no coração.

      Excluir

Deixe sua opinião para nós do Refúgio Literário