Prosa nas Entrelinhas: O último ato - Prólogo

Por: E agora, tia Mai? - 13:41


Prologo

O volume da música era alto; a qualquer momento, Lilian, sentia que as caixas poderiam explodir. Um mar de gente dançava ao ritmo do reggaeton porto-riquenho, e do camarote Lilian poderia-se observar seus comportamentos. Essas festas eram sempre assim: regadas a bebidas, sensualidade e drogas. As luzes piscavam enlouquecidamente. Grande e arejada, a Nefertiti, boate recém-inaugurada em São Paulo, estava lotada.
A taça de champagne em sua mão estava quase vazia, o garçom passou e lhe ofereceu mais, mas Lilian estava cansada e queria ir embora, odiava quando Apolo a obrigava ir nessas festas, mas, sabia que fazia parte, por ser uma das maiores atrizes do teatro brasileiro, sua imagem nesses tipos de festas de empresários e inaugurações garantiam o patrocínio para as próximas produções. Ossos do ofício, repetia sempre para si.
Olhando para a entrada do camarote onde estava, viu Apolo entrar acompanhado de duas mulheres belíssimas, sorriu para ele, e balançou a cabeça em negativa, o amigo não mudava.
- Pronta para ir? - perguntou se aproximando de Lilian.
- Sim, por favor. – ela deixou a taça em cima da pequena mesa de centro.
- Vamos apenas tirar nossa foto para o Instagram, fazer aquela propagada do lugar, e podemos ir.
- Sem problemas.
Lilian sacou o celular de dentro da pequena bolsa que carregava, então, ela e Apolo se preparam para o clique. Passando a mão por sua cintura, ele a aproximou, enquanto o rosto de Lilian pendia para o lado dele, sorrindo eles olharam para a câmera frontal, e a foto foi tirada.
Escolhendo a máscara e a legenda, Lilian postou a foto. Apolo sorriu para ela e - a aproximando ainda mais - beijou-lhe o rosto sem saber que, ali, era o início de um pesadelo.
Quando uma mentira é contada, outras mais precisam ser ditas para a primeira se sustentar; mas, quando você faz isso, dificilmente mede as consequências, que no fim são inimagináveis.





Se você gostou também vai gostar de:

0 comentários

Deixe sua opinião para nós do Refúgio Literário